Homenagem ao Professor Doutor Rui Alarcão

A 30 de Março de 2019, por ocasião da reunião anual do Conselho Geral da Fundação Inês de Castro, foi organizada uma sessão solene de homenagem à memória do primeiro Presidente do Conselho Geral desta Fundação, Professor Doutor Rui Alarcão.

Associaram-se a esta homenagem a Câmara Municipal de Coimbra, em nome da cidade e a Universidade de Coimbra de que o Professor Rui Alarcão foi Reitor durante um período de 17 anos.

A Câmara Municipal de Coimbra fez-se representar na sessão solene pelo seu Presidente, Dr. Manuel Machado e a Universidade pelo Vice- Reitor Professor Doutor João Nuno Calvão da Silva.

O actual Presidente do Conselho Geral da Fundação Inês de Castro, Doutor José Manuel Cardoso da Costa, abriu a sessão, enaltecendo as qualidades académicas e humanas do homenageado.

Também o Dr. Manel Machado e o Prof. Doutor João Nuno Calvão da Silva destacaram nas suas intervenções os valores de vida do Doutor Rui Alarcão quer como homem da cultura junto da Universidade, quer como cidadão.

Em nome da Fundação Inês de Castro o Dr. José Miguel Júdice exaltou a memória do Doutor Rui Alarcão e agradeceu o papel determinante que com a sua sabedoria desempenhou na Fundação Inês de Castro e no seu funcionamento.

Por fim a Dr.ª Eliana Gersão agradeceu a sentida homenagem prestada a seu marido reafirmando o grande afecto que o ligava à Fundação Inês de Castro e a enorme amizade que o unia ao Dr. José Miguel Júdice, instituidor e patrono da Fundação Inês de Castro.

RUI ALARCÃO

Notícia no Site do Município de Coimbra

Atelier de fotografia com Inês d’Orey

Em Dezembro de 2007 iniciaram-se os Ateliers Artísticos, uma parceria da Fundação Inês de Castro e a Fundação Bissaya Barreto, com a fotógrafa Inês d’Orey. Durante uma semana Inês d’Orey esteve no Hotel Quinta das Lágrimas onde fez uma série de fotografias artísticas e realizou, na Fundação Bissaya Barreto, sessões com os alunos do 1º ciclo em que explicou o que é ser fotógrafo, como funcionam as máquinas, como se tiram fotografias.

BIOGRAFIA DE INÊS D’OREY

Colina de Camões

No domingo 20 de Julho de 2008 foi inaugurada, na Quinta das Lágrimas, a Colina de Camões, um anfiteatro em relva para 1000 pessoas. Este projecto da Arquitecta Paisagista Cristina Castel-Branco foi sonhado por ela durante anos e encontrou aqui o lugar apropriado, tanto pela beleza do sítio donde se têm inéditas vistas da Quinta das Lágrimas e de Coimbra, como pela adequação acústica como anfiteatro natural, protegido dos ventos e do ruído.

Foi convidado para inaugurar a Colina de Camões o dueto Bernardo Sassetti e Mário Laginha, dois formidáveis pianos, que se ouviram sobre a água, e que, através da sua música, produziram uma peça original LÁGRIMAS – Suite para 2 pianos e 3 movimentos que dará  uma vida nova ao tema e ambiente já de si mágico da Fonte das Lágrimas, lugar dos Amores de Inês e Pedro.

Texto do Bernardo Sassetti

Áudio Guias para o Itinerário de Santa Clara

De uma parceria feliz entre o Sítio de Santa Clara-a-Velha e a Fundação Inês de Castro nasceu o projecto de áudio-guias para o itinerário do Sítio de Santa Clara-a-Velha.

Os áudio-guias disponíveis em quatro línguas, português, francês, inglês e espanhol são instrumentos imprescindíveis para quem quiser fruir esta viagem ao seu próprio ritmo.

Os áudio-guias orientam a visita, propondo um itinerário determinado, fornecem a informação indispensável sobre a história do Sítio, o Mosteiro, e vão, de alguma forma, dando pistas ao visitante para a(s) história(s) que aqui tiveram lugar.

Com efeito, a viagem começa no Antigo Paço da Rainha, faz uma pausa no miradouro, onde se aborda pela primeira vez a ruína.
O visitante segue depois pelo caminho medieval em direcção à Igreja.

Na igreja, o visitante é agora convidado a perder-se num universo de pedra, onde as naves abobadadas confirmam a riqueza de quem mandou construir o Mosteiro.
Em seguida, a direcção aponta para o Claustro. É o espaço de lazer, a evocação do Paraíso para a comunidade de clarissas que aqui viveu durante três séculos.
Depois, a viagem centra-se nos espaços que marcam as rotinas do Mosteiro, que o visitante é convidado a espreitar: Refeitório, Lavabo, Cozinha Sala do Capítulo e, finalmente, o Dormitório.

Já a despedida se anuncia, mas ainda há tempo para uma breve referência à entrada do Coro e às transformações que o tempo nela operou. A viagem termina.

E quando o visitante se prepara para respirar fundo e começar a arrumar a mala desta viagem, os áudio-guias ainda o surpreendem com uma sugestão final. Uma visita ao Jardim da Quinta das Lágrimas e à mítica Fonte dos Amores, que, sem dúvida, complementa esta viagem. Ou não são Inês e Pedro património comum de Santa Clara e da Quinta das Lágrimas?

E é de Pedro e Inês que falam as palavras de Nuno Júdice. Assim evoca o poeta este amor:
(…) Mas é isto o amor:/ ver-te mesmo quando te não vejo, ouvir a tua/ voz que abre as fontes e todos os rios, mesmo/esse que mal corria quando por ele passámos, / subindo a margem em que descobri o sentido/ de irmos contra o tempo, para ganhar tempo/ que o tempo nos rouba (…). (Nuno Júdice, Pedro, lembrando Inês)

Concurso de Fotografia “Coimbra dos Amores” 2008

A ideia é a edição de uma boa e moderna colecção de postais sobre Coimbra e sobre os temas inesianos embora a sua concretização deva assentar em moldes inovadores e, em especial, que se assuma como um projecto mobilizador para os amantes da fotografia que nasceram, estudaram, vivem ou simplesmente gostam de Coimbra.

Regulamento

  1. A Fundação Inês de Castro vai lançar um concurso de fotografia subordinado ao tema, “Coimbra dos Amores”.
  2. Os concorrentes podem apresentar trabalhos para cada um dos seguintes três temas: Coimbra, Quinta das Lágrimas e Paixão de Pedro e Inês.
  3. O concurso é aberto a qualquer pessoa, amadora ou profissional, que goste de fotografia e queira participar nesta iniciativa.
  4. Cada concorrente pode apresentar o número de trabalhos que entender, a cores ou a preto-e-branco, até um máximo de 8 imagens.
  5. Os trabalhos devem ser apresentados em dois exemplares, sendo um para o arquivo da Fundação Inês de Castro e para eventual reprodução, na dimensão 40/60 e gravados num CD de alta resolução (mínimo 300 dpis).
  6. Todos os trabalhos a concurso têm de ser inéditos.
  7.  É obrigatório que cada concorrente inclua, no conjunto de trabalhos que apresentar a concurso, duas imagens da Quinta das Lágrimas, ainda que possa apresentá-las para qualquer um dos temas e não apenas para o tema Quinta das Lágrimas.
  8. Os concorrentes gozarão de total liberdade na escolha das formas de abordagem de cada um dos temas.
  9. Os concorrentes devem entregar ou enviar para a sede da Fundação Inês de Castro (Quinta das Lágrimas, Coimbra) os respectivos trabalhos até ao dia 15 de Outubro de 2008.
  10. Um júri de qualidade reconhecida, presidido pelo Dr. Luís Saragga Leal, membro do Conselho Geral da Fundação Inês de Castro e Presidente da Fundação PLMJ (detentora da melhor colecção de fotografia portuguesa contemporânea em mãos privadas) procederá à selecção e classificação dos trabalhos apresentados. O Júri será integrado por mais 8 pessoas de entre as personalidades seguintes: Abílio Hernandez, Albano da Silva Pereira, António José Gomes de Pinho, Alexandra Pinho, Francisco José Viegas, Gonçalo Byrne, João Fernandes, José Fonseca e Costa, José Pedro Paço de Arcos e Mário Sequeira.
  11. A decisão do júri é definitiva e não está sujeita a recurso.
  12. A Fundação Inês de Castro anunciará publicamente em Janeiro de 2009 os nomes dos vencedores do concurso.
  13. As melhores imagens farão parte de uma colecção de postais a editar e a comercializar pela Fundação Inês de Castro, devendo os concorrentes autorizar tal divulgação, mediante uma royalty de 10% sobre o valor de venda de cada colecção a distribuir pelos autores seleccionados em função do número de imagens utilizadas.
  14. O Hotel Quinta das Lágrimas, como um dos patrocinadores do concurso, organizará uma exposição com as imagens apresentadas a concurso e que o Júri seleccionar para o efeito
  15. Para além do Grande Prémio de Fotografia Fundação Inês de Castro e de 3 prémios para os temas escolhidos, o Júri poderá atribuir menções honrosas, prémio de revelação (para fotógrafos com menos de 20 anos) e prémio Tributo de Consagração para fotógrafos que concorram e tenham uma carreira de fotografia que exprima os valores culturais que estão subjacentes à Fundação Inês de Castro.

Será seleccionada uma entidade para co-patrocinar com Hotel Quinta das Lágrimas e Câmara Municipal de Coimbra (podendo, por exemplo ser a CM Alcobaça para o tema inesiano e a Critical Software para o Grande Prémio).

2.6.2. Júri
Dr. Luís Sáraga Leal (Membro do Conselho Geral da FIC)